A opção oferecida pelo WhatsApp que permite excluir mensagens enviadas para que o destinatário não possa vê-las não funciona como muitos esperam. De acordo com a ESET, empresa líder em detecção proativa de ameaças, aparentemente, os arquivos multimídia (fotografias, vídeos, etc.) que são enviados para os usuários do iPhone que têm as predefinições do aplicativo não são eliminados do dispositivo quando o remetente decide excluí-los para que o destinatário não os veja, o que cria uma falsa sensação de privacidade.

Embora a pessoa que envia a mensagem queira exclui-la e o aplicativo exiba a frase “esta mensagem foi apagada”, o arquivo ainda permanecerá disponível no dispositivo iOS para o qual foi enviado.

Esta desvantagem não está presente em dispositivos Android, em que a função de voltar atrás e excluir um arquivo que foi enviado funciona corretamente e o conteúdo é removido do dispositivo do remetente ou remetentes – caso seja enviado para um grupo.

A descoberta deste problema de privacidade foi trabalho do consultor de segurança Shitesh Sachan, que explicou que o recurso do WhatsApp para iOS não foi projetado para remover mensagens multimídia recebidas que foram salvas no Camera Roll dos dispositivos iPhone, enquanto em dispositivos Android os arquivos enviados são excluídos da galeria na qual estavam salvos por padrão.

Na sua configuração predefinida, o aplicativo de mensagens guarda automaticamente todas as imagens e vídeos recebidos por meio do WhatsApp no Camera Roll dos dispositivos iPhone e na galeria de imagens do Android – uma opção que pode ser desativada na configuração do app de mensagens instantâneas.

Depois de receber o relatório de Sachan sobre este problema, a empresa garantiu que não fará alterações para tentar resolvê-lo, alegando que o recurso “apagar para todos” foi projetado para excluir mensagens do WhatsApp e não oferece garantias de que um arquivo será permanentemente excluído, embora tenha destacado que no futuro poderia fazer alterações neste recurso e na forma como é implementado, destacou o portal.

Para saber mais, clique aqui e acesse o conteúdo sobre segurança do site
https://www.welivesecurity.com.

Fonte: Assessoria de imprensa

Share This