Vulnerabilidade do WhatsApp – atualize agora seu aplicativo

Vulnerabilidade do WhatsApp – atualize agora seu aplicativo

Hoje, 14/05, foi disponibilizada uma atualização para iOS e Android.

O mensageiro mais popular da atualidade divulgou uma falha de segurança que faz com que dados das vítimas sejam acessados, ou seja, senhas, fotos, e-mails, entre outras informações. O spyware pode ser instalado no aparelho apenas por uma chamada telefônica.

Portanto, para ter a sua segurança aumentada, siga o procedimento abaixo e atualize seu smartphone ainda hoje:

No Android:

1) Abra o app Google Play Store;

2) Acesse o menu na parte superior esquerda da tela;

3) Entre em “Meus aplicativos e jogos”;

4) Se o WhatsApp tiver sido atualizado recentemente, o app vai aparecer em uma lista de aplicativos com um botão “Abrir”;

5) Já se o WhatsApp não estiver atualizado, o botão vai dizer “Atualizar”. Aperte para instalar a nova versão;

6) A última versão do WhatsApp para Android é 2.19.134.

No iOS:

1) Abra a App Store;

2) Na parte inferior da tela, aperte “Atualizações”;

3) Se o WhatsApp tiver sido atualizado recentemente, o app vai aparecer em uma lista de aplicativos com um botão “Abrir”;

4) Já se o WhatsApp não estiver atualizado, o botão vai dizer “Atualizar”. Aperte para instalar a nova versão;

5) A última versão do WhatsApp para iOS é 2.19.51.

(Procedimento retirado de bbb.com)

Fique atento às nossas dicas de seguranças. Mantenha sempre atualizado o antivírus do seu dispositivo.

Gamers e Modders: diferentes ou nem tanto?

Gamers e Modders: diferentes ou nem tanto?

Mod que vem do inglês modify, é o termo usado para se referir ao que diz respeito a alterações de hardwares ou softwares em computadores. Mas, por que as pessoas fazem modificações? Tome, por exemplo, o caso de editores profissionais de vídeo que, afim de melhorar a qualidade de imagem e tornar mais ágil o salvamento dos materiais, realizam mudanças nos computadores, como instalação de uma placa de vídeo melhor e um SSD potente. Se as mudanças foram feitas pelos próprios editores, eles poderiam ser considerados modders.

Esse não é o único caso em que modificações acontecem. Existem algumas modalidades diferentes, e algumas pessoas tornam-se fãs de tipos específicos como: overclocking, que aumenta a frequência na qual a CPU opera; Case Modding, que envolve a personalização de um gabinete do computador; e Modding de jogos, que são alterações em um jogo existente, por meio de programação e realizada por entusiastas, como adicionar novas fases e acessórios.

No caso do modding de jogos, existem streamers que se dedicam a encontrar e zerar mods de games famosos, como uma forma de diversão. Versões de Mario Bros, Zelda, Pokémon e outros jogos antigos com fases mais difíceis, situações diferentes ou textos alterados são procurados pelos fãs desse tipo de modificação.

Além disso, alguns jogos famosos, que possuem campeonatos e são mundialmente conhecidos, surgiram de mods. É o caso do Counter Strike, que surgiu de uma modificação de jogo de FPS Half Life, ou o caso do moba Dota, que foi criado a partir de um mod de Warcraft, da Blizzard.

Ainda nesse universo dos jogos, muitos gamers de PC se tornam modders. Isso porque, na busca por uma melhor jogabilidade e um setup perfeito, jogadores fazem alterações em gabinetes, ou até mesmo montam um do zero, instalando peças, sistemas de resfriamento e, até mesmo, luzes de led.

Portanto, nem todo gamer é modder e nem todo modder é gamer, como é o caso de alterações para usos profissionais. Mas, no caso dos gamers de PC, a maioria se torna modder em algum momento, seja na modificação de CPUs ou até mesmo na programação de mudanças em jogos existentes.

Fonte: Assessoria de Imprensa

 

Xiaomi divulga lista de modelos que receberão nova atualização da MIUI

Xiaomi divulga lista de modelos que receberão nova atualização da MIUI

No início de abril a Xiaomi anunciou os smartphones que irão e que não irão receber a atualização da sua interface – MIUI.

 

A fabricante chinesa utiliza em seus smartphones uma interface leve e bem bacana. Ela é como se fosse um sistema operacional porém “roda” no Android. É uma aplicação bastante funcional e que deixa os smartphones rápidos e com funções diferenciadas dos demais concorrentes.

A versão que atualmente está sendo executada nos aparelhos é a de número 10 – lançada em junho de 2018.

No início de abril, a chinesa fez um evento e anunciou o lançamento da próxima versão – a de número 11. Ela será disponibilizada em muitos modelos e em alguns, mais antiguinhos, não receberão. Vamos a lista:

 


Modelos que receberão a nova versão:

 

  • Xiaomi Mi 9, Mi 8;
  • Xiaomi Mi MIX 3;
  • Xiaomi Mi MIX 2S, Mi MIX 2;
  • Xiaomi Mi MIX 1;
  • Xiaomi Mi 6X, Mi 6;
  • Xiaomi Mi Note 2, Mi Note 3;
  • Xiaomi Mi 5X, Mi 5c, Mi 5s, Mi 5s Plus;
  • Xiaomi Mi Max 2, Mi Max, Mi Max 3;
  • Xiaomi Mi Play;
  • Redmi Note 7 Pro, Redmi Note 7;
  • Redmi S2;
  • Redmi Note 5, Redmi Note 5 Pro;
  • Redmi 6, Redmi 6A, Redmi 6 Pro;
  • Redmi 5, Redmi 5A, Redmi 5 Plus, Redmi Note 5A;
  • Redmi 4, Redmi 4A, Redmi 4X, Redmi Note 4, Redmi Note 4X;
  • Redmi 3S/3X;
  • Redmi Note 6, Redmi Note 6 Pro.

 


Os que não receberão:

 

  • Redmi 3S/Prime;
  • Redmi Pro;
  • Redmi 4 Prime;
  • Redmi 4 Global;
  • Redmi 4A;
  • Redmi Note 4 (MTK version);
  • Redmi Note 3.

 


 

Os detalhes do que a versão 11 terá ainda não temos. Vamos aguardar as próximas semanas para sabermos inclusive a data da disponibilização.

 

Cuidado ao publicar imagens em uma rede social: você pode estar divulgando informações demais

Cuidado ao publicar imagens em uma rede social: você pode estar divulgando informações demais

Cuidado ao publicar imagens em uma rede social: você pode estar divulgando informações demais

ESET fala sobre os cuidados ao postar fotos na internet

O povo brasileiro é extremamente ativo nas redes sociais, uma pesquisa realizada pela We Are Social e o Hootsuite, revelou que 62% dos brasileiros estão ativos nos sites e apps. Estar online o tempo todo e postar fotos se tornou um hábito comum, o único problema é que nossas fotos podem conter informações demais.

Mesmo com as redes bloqueadas apenas para amigos, o usuário pode correr riscos. Pensando nisso, a ESET, empresa líder em detecção proativa de ameaças, separou alguns cuidados para se tomar ao postar uma foto, seja em seu feed ou no status temporário.

– Ingressos de eventos: muitos ingressos de eventos possuem QR codes ou códigos de barras para facilitar a entrada. Por isso, pode ser perigoso publicar a foto do ticket do show da sua banda favorita ou do jogo do seu time, pois um criminoso pode utilizar estes dados para entrar no evento antes de você. Uma vez que o código de barras ou QR Code fornece uma única liberação de entrada.

Cartões de embarque: segurança digital em viagens tem sido uma nova preocupação. Vemos cada vez mais fotos de viajantes no aeroporto com passaportes e cartões de embarque publicadas nas redes. O problema é que, assim como no caso dos ingressos de eventos, é possível clonar sua passagem. Informações como o seu nome, sobrenome, local e destino do voo podem não ser o maior dos problemas, já que um cartão de embarque pode conter seu programa de fidelização, código de barras, tipo de passagem, código localizador de reserva e ainda o número do seu passaporte. A combinação desses dados permite não somente o uso indevido de sua passagem, mas também o cancelamento do seu check-in e compras em seu nome.

Fotos dos filhos e outras crianças: postar fotos dos pequenos pode ser tentador. Em um estudo realizado no Reino Unido, descobriu-se que crianças têm em média 1300 fotos publicadas pelos pais. Mas o preço da postagem pode ser alto. Imagens com a localização das crianças ou uniforme da escola são prato cheio para criminosos. Evite mostrar a rotina do seu filho nas redes, localização, nome da escola e atividades extracurriculares. Mesmo que suas redes sociais sejam privadas, não é possível ter o controle de uma imagem depois que ela é divulgada na internet, e a foto do seu filho pode cair em mãos erradas, portanto, é melhor se prevenir.

Fotos da mesa de trabalho: fotos da organização do seu espaço na empresa podem ser bonitas, mas muito cuidado. Na hora de bater a foto, confira se na imagem não é possível ver  documentos importantes, anotações com logins e senhas, ou até papéis com informações que podem expor você e a empresa.

Não compartilhe sua localização: cyberstalker é o termo utilizado para se referir a pessoas que vigiam suas redes sociais e acompanham seus movimentos. Publicar fotos com geolocalização ou com o nome de onde você está facilita a ação dos stalkers. A nova série “Você”, do Netflix, é um exemplo da discussão sobre os riscos de expor sua localização publicamente, pois mostra o caso de um perseguidor que, por meio de fotos nas redes sociais, consegue saber todos os passos da personagem principal. A boa notícia é que na vida real não precisa ser assim – os smartphones permitem que você decida em que momentos determinados aplicativos podem ter acesso a sua localização, basta conferir nas configurações do seu aparelho.

Carteira de motorista: tirar a habilitação é uma grande conquista, e é claro que os jovens felizes com a realização querem expor nas redes. A tag #carteirademotorista no Instagram possui 10,8 mil posts com imagens da CNH de brasileiros. A sua habilitação contém diversas informações pessoais, como nome dos pais, identidade e CPF que, ao caírem em mãos erradas, podem causar dor de cabeça. Portanto, evite postar a foto do documento em suas redes sociais.

Informações pessoais e cartões: é mais comum do que se imagina ver fotos com a localização de residências, dados pessoais ou fotos de cartões bancários. Um perfil no Twitter chamado @NeedADebitCardreúne imagens de cartões postados nas redes sociais, os riscos vão desde ter suas senhas descobertas até compras realizadas com a sua conta. Esse tipo de informação diz respeito somente a você.

Imagens de pessoas em situações constrangedoras: uma nova moda surgiu entre os jovens. São os chamados Dix: contas no Instagram apenas para amigos próximos e pessoas selecionadas, nas quais o usuário expõe vídeos e fotos pessoais provocantes ou descontraídas. Mas aí mora um problema. Como ter certeza de que todos os seus seguidores são confiáveis? Como é impossível garantir que seus contatos não têm más intenções ou que sem querer alguém tenha acesso a sua conta, o ideal é evitar conteúdos comprometedores em todas as suas redes sociais.

“Depois que divulgamos uma informação online, é impossível ter controle sobre ela. Os virais são uma prova disso. Por isso, é importante restringir fotos pessoais apenas aos amigos próximos.  Isso pode ser feito por meio de configurações de segurança das próprias redes sociais. Também é importante fazer uma varredura frequente, mantendo apenas pessoas conhecidas como amigos e seguidores de seus perfis. Com estas medidas, é possível manter-se mais seguro nas redes”, finaliza Camillo Di Jorge, Country Manager da ESET no Brasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa

 

 

Como saber se seu WhatsApp está sendo rastreado

Como saber se seu WhatsApp está sendo rastreado

Facebook

Descubra se estão espionando as suas conversas do WhatsApp

 

O WhatsApp é o aplicativo de mensagens mais utilizado no Brasil e no mundo. Por meio dele, é possível compartilhar qualquer tipo de conteúdo, desde mensagens de texto a vídeos e GIFs. Muitos usuários confiam tanto no app, que não se importam de enviar fotos íntimas e dados sigilosos, como os de banco, logins e senhas, por exemplo.

Mas será que o mensageiro é de fato seguro? Será que existe alguma forma de saber se seu WhatApp está sendo rastreado e suas conversas estão sendo monitoradas por alguém?

A resposta para as duas perguntas é sim!

O WhatsApp oferece diferentes funções que visam garantir a segurança dos seus usuários quando o assunto é acesso e monitoramento do app.

 

https://www.tecnologiafacilsa.com.br/app/limpeza-de-whatsapp-veja-como-deixar-seu-aplicativo-mais-rapido-com-um-toque/

https://www.tecnologiafacilsa.com.br/dica/momo-do-whatsapp-perfil-misterioso/

 

Por exemplo: se um usuário optar por usar o WhatsApp em um celular sem chip, ele necessariamente vai precisar informar um número de telefone existente e ativo. Ao informar esse número, a central de segurança do app envia um SMS com um código para validar o acesso.
Logo, se você receber um SMS como este, é sinal que alguma outra pessoa está tentando rastrear suas conversas por meio de outro aparelho de celular.

 

Confira outras formas de saber se seu WhatsApp está sendo rastreado:

 

WhatsApp Web

 

É possível acessar o app via navegadores de desktop usando a função WhatsApp Web. Dessa forma, se alguém pegar seu celular sem a sua permissão, conectá-lo a um computador e devolvê-lo a você, ele conseguirá visualizar suas mensagens instantaneamente mesmo sem o aparelho por perto.

Para descobrir se alguém está monitorando suas conversas por meio dessa função, abra o aplicativo, vá até as Configurações/Ajustes e selecione WhatsApp Web.

Se estiverem usando o seu WhatsApp, aparecerá o nome do dispositivo no qual ele está conectado. Para desconectar, basta selecionar Sair de Todos os Computadores.

Porém, se sua câmera abrir imediatamente para efetuar a leitura de QR Code, fique tranquilo porque ninguém está te espionando.

 

Histórico de mensagens e download de mídias

 

Verifique nas suas conversas atuais se existem mensagens que foram supostamente enviadas por você ou se há algum áudio que você não ouviu mas aparece como se estivesse ouvido.

E se a função Download automático de mídia estiver desativada no seu aplicativo, verifique também se existem fotos e vídeos que não foram baixados por você.

É muito comum que esses tipos de movimentações suspeitas ocorram quando um malware se instala no seu celular para monitorar o que você faz no aparelho ou quando sua linha telefônica é clonada, dando acesso ao seu WhatsApp por meio de outros dispositivos.

 

Tenho certeza que meu WhatsApp está sendo rastreado. E agora?

 

De acordo com o Emilio Simoni, Diretor do dfndr lab – laboratório especializado em segurança digital-, uma vez identificado que seu WhatsApp está sendo rastreado, é preciso tomar algumas medidas de segurança importantes.

Se você estiver sendo espionado por meio do WhatsApp Web, que obrigatoriamente solicita que o usuário abra o aplicativo para validar o acesso, provavelmente alguém está mexendo diretamente no seu celular sem a sua permissão. Para que isso não volte a acontecer, uma boa opção é colocar uma senha extra no aplicativo. “Invista em um aplicativo de segurança que também conte com funções de privacidade. O dfndr security, por exemplo, é grátis e disponibiliza o Cofre que permite criar senha extra para qualquer app do seu celular, incluindo o WhatsApp”, explica Simoni.

Se você for notificado via SMS ao tentarem acessar suas conversas por meio de um outro celular, o ideal é ativar todas as outras funções de segurança disponibilizadas pelo próprio WhatsApp.
Abra o aplicativo, vá até as Configurações/Ajustes e selecione Conta.
Na opção Segurança, ative a Exibir Notificações de Segurança. Volte para a tela anterior e ative também a Verificação em Duas Etapas.

Em casos de suspeitas de malwares, é imprescindível fazer uma verificação de segurança no seu celular. Além de interferir no WhatsApp, eles podem trazer riscos para os seus dados e outros aplicativos.
O aplicativo dfndr security também é capaz de identificar, bloquear e remover malwares, vírus e phishings.

Já para a suspeita de clonagem de linha telefônica, a recomendação é entrar em contato com a sua operadora de celular e solicitar um número novo.